sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

História XI



Catarina deixou seus pés sentirem a textura da areia húmida.
 Dirigiu-se ao sabor da leve brisa até a beira do mar.
 Parecia estar apenas ela, o seu corpo, o seu espírito, sozinha....
 Era uma boa altura, um bom dia para libertar todos os seus pensamentos, poder viajar por todos os seus sonhos perdidos e remotos...
 Deixar fluir todos os sentimentos acumulados...
A água salgada embatia-lhe nos pés, num vai e vem desconhecido.
 Agora a brisa que a embalou, beijava-lhe a face e afastava toda a mágoa.
Naquele momento tudo parecia irreal..
Esperava-o...sem saber quem era.
Esperava-o...com a certeza de já o conhecer á tanto tempo.
Esperava-o ...
Simplesmente, esperava-o...
Quando chegou,trazia no rosto o sorriso envergonhado,
Quando chegou trazia no olhar,os raios de sol espelhados no mar de côr verde.
Simplesmente, chegou...
As horas transformaram-se em relogios parados.Em minutos infinitos.
E ela foi feliz em cada encontro que usufruiram.Embora tenham sido poucos.
Quando ela partiu sem o dizer,deixou com ele  uma parte do seu coração,da sua vida.
Catarina soube defenir o reencontro,ela sabia do que se tratava,Mas nunca lho disse.
Até que chegou um dia em que Catarina sabia que seria o ultimo e despediu-se sem nada dizer.Um grande sorriso,um olhar radiante e um beijo selaram o adeus.
 Catarina sempre soube que ele não tinha vindo  para ficar.
Sempre soube que fora apenas um reencontro.
Um reencontro de almas.




quinta-feira, 27 de janeiro de 2011

(...)




"Cada minuto que passa,pode ser tudo o que me resta a viver!...E eu desperdiço o tempo, como se ele fosse infinito" !

                                                                                                 
                                                                                                                  Pedro Cassiano Aguilar

                                                      
    Viver é caminhar. A vida faz sentido quando

conseguimos extrair o sentido de cada momento,cada dia.
...O sentido da vida está em viver. Mas não um viver qualquer.
A capacidade de viver um momento de cada vez,expressando-o.
  Dei por meio de minha singularidade, é o que chamo viver com propósito.
Assim, espero encontrar a felicidade ali e além, mas também aqui e agora."

                                                      Trecho do Livro: Vivendo com Propósitos [Ed Rene Kivitz]

sexta-feira, 21 de janeiro de 2011

Vontade de nunca mais partir...

Senti vontade de nunca mais partir....
No nosso reencontro, senti as tuas mãos em minha face e o teu beijo demorado,as tuas palavras de confiança e carinho.
Olhei-te maravilhada e sem motivos que me prendessem a outro tempo.
No nosso reencontro tudo foi perfeito e completo.Chegas-te e premaneces-te .E eu saboreei cada detalhe do teu rosto, que já não vi-a a algum tempo.
Um reencontro que sempre espero.Chegou.
Um reencontro em que tudo se defenia,conjugando o tempo certo,num só tempo.
Senti vontade de nunca mais partir...
No nosso reencontro tornei a sentir a sensação de que a minha busca findára,com um sentimento de felicidade.
Toquei no teu cabelo e senti nos meus dedos a tua manifestação de alegria e encanto.
Um Amor em sua total plenitude.
Senti vontade de nunca mais partir...
Nos teus olhos encontrei a razão da minha espera.
 Havia um silêncio bonito, aquele silêncio que se ouve o vento e os passos no chão.
Não sei onde estavamos, mas não estavamos perdidos,era  como se soubessemos  onde queriamos chegar.
E eu senti vontade de nunca mais partir....
Mas acredito que .... O sonho é a lembrança do que o espirito vive no sono .
È por ele que espero em cada sono,em cada noite.
E quando vens ao meu encontro...Sinto vontade de nunca mais partir....



segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

A vida como uma bailarina

A vida, nossa existência, faz-nos rodopiar para enfrentar barreiras.
Saltar a tal pedra que aparece no nosso caminho,aquela pedra que Carlos Drummond,tanto falou.


                                                 "No meio do caminho tinha uma pedra

                                                     No meio do caminho tinha uma pedra
tinha uma pedra no meio do caminho
tinha uma pedra
no meio do caminho tinha uma pedra.
Nunca me esquecerei desse acontecimento
na vida de minhas retinas tão fatigadas.
Nunca me esquecerei que no meio do caminho
tinha uma pedra
tinha uma pedra no meio do caminho
no meio do caminho tinha uma pedra."


Nossa vida é uma pas de valse,sempre oscilando de um lado para o outro,entre momentos bons e maus.
Porêm sempre oferecendo-nos coragem para um devant,ir em frente diante de qualquer situação.
E se enfrenta-la com um pas de deux,melhor ainda,Nunca sosinha,sempre acompanhada.
Como se a vida se tratasse de um simples passo de dança.
Um passo de dança de uma linda bailarina

quarta-feira, 12 de janeiro de 2011

Um dia bom para morrer....

Durante muitos anos trabalhei com o meu pai numa loja de comercio tradicional,que se situava numa praça de Lisboa.Aquelas lojinhas que preenchem o espaço á volta da praça.
Convivi sempre com muita gente,estou habituada e gosto de estar rodeada de gente,conversar,rir,trocar ideias, enfim um monte coisas.
Conheci muita gente de diferentes idades.Convivi sempre com pessoas de mais idade,da idade do meu pai,visto ele ter aquela loja por mais de cinquenta anos.A população habitacional em redor da mesma, sempre fora uma população idosa.A maior parte das pessoas já partiram.Mas fiz muitas amizades, no dia a dia.
Havia sempre o senhor Augusto,que trabalhava numa loja de confecção ali perto, que vinha da Trafaria e todas as manhãs fumava o seu ultimo cigarrito antes de entrar ao serviço,na porta da minha loja(na altura ainda era premitido fumar nas supreficies),todos os dias.Era um senhor já com os seus sessenta e muitos anos quando o conheci e ainda privou comigo durante uns anitos,antes de vir a falecer,vitima de Alzeimer.
Era um senhor bastante divertido e alegre.Sempre muito bem disposto com a vida, menos com os patrões como ele gostava de provocar(na brincadeira)o meu pai.
Hoje lembrei-me dele,porque ele tinha uma frase que sempre dizia e provocava em nós dois risos multiplos,porque ambos sabiamos do que se tratava.
Ele sempre dizia"...hoje é um dia bom para morrer...."normalmente dizia-o quando alguma senhora entrava na loja.Ele com o ar da sua graça então dizia; "Bom...vou andado...afinal hoje é um dia bom para morrer..."ao que logo a senhora em questão respondia; """...Credo!Não existem dias bons para a morte..."
Ao que o senhor Augusto respondi com um enorme sorriso no rosto; "....para morrer a rir!"E´lá nos riamos nós.
Existem momentos e vivências que por muitos anos que passem ficam sempre retidos na nossa memoria.
O senhor Augusto veio a ficar debilitado e deixou de trabalhar.Eu sempre sabia dele atravéz de telefonemas e algumas visitas que lhe fazia se vez em quando na sua casa,na Trafaria.Tinha uma esposa muito bonita e simpatica,ao que ele retribuia dizendo,que sempre fora um homem com muito bom gosto.
A ultima vez que o vi com vida,já ele estava internado no hospital Gracia da Horta e mesmo no fim dos seus dias e com a doença em estado avançado ele nunca perdeu a sua forma divertida de ser.
Fui visita-lo com o meu pai e nessa visita ele já não se lembrava de mim.Ao meu pai disse-lhe; "...Jaquim....,Jaquim....sempre o mesmo maluco.Não vês que a moça é novinha demais para ti!!!"
E rimo-nos todos ao mesmo tempo e assim me despedi do meu querido amigo Augusto,que para sempre recordarei com alegria.
Isto tudo para vos dizer....que hoje é um dia bom para morrer....

                                                                                ....morrer a rir!!!!


Já vi muitos apanhados,mas como este! O maximo dos maximos, depois digam lá se eu  não tenho razão...!:))

http://sorisomail.com/videos-comicos/53346.html

segunda-feira, 10 de janeiro de 2011

Signos




Como atravessam a rua cada um dos signos.
Uma maneira engraçada de vêr os signos de cada um de nós!!!

Por que o Ariano atravessou a rua?
Certamente para bater boca com alguém que estava do outro lado.



Por que o Taurino atravessou a rua?

Porque encasquetou com a idéia.


Por que o Geminiano atravessou a rua?

Se nem ele sabe, como é que eu vou saber?


Por que o Canceriano atravessou a rua?

Porque estava se sentindo só e abandonado deste lado de cá.



Por que o Leonino atravessou a rua?

Para chamar a atenção, sair nos jornais, revistas,
 (Q maldade... rsss)


Por que o Virginiano atravessou a rua?

Ele ainda não atravessou porque está medindo a largura da rua, a velocidade dos carros,se essa experiência é válida, qual seria a melhor hora de atravessar essa rua, etc.


Por que o Libriano atravessou a rua?

Ele nem precisou atravessar. Alguém acabou oferecendo carona para ele.




Por que o Escorpiano atravessou a rua?

Porque era proibido.



Por que o Sagitariano atravessou a rua?

Porque a idéia pareceu maneira e deu vontade.



Por que o Capricorniano atravessou a rua?

Porque foi pechinchar nas lojas do outro lado.



Por que o Aquariano atravessou a rua?

Porque isso faz parte de uma experiência que trará incontáveis avanços tecnológicos no futuro.


Por que o Pisciano atravessou a rua?

Que rua? Ih, é...


Meus amigos aproveito este momento de descontração para vos apresentar o meu mais recente espaço doce!
Feitiços da Lua http://moonlight-feiticosdalua.blogspot.com/
À muito tempo que o pensava em criar,mas o tempo têm sido muito curto neste Ano decidi cria-lo logo para que não o deixe de fazer por mais um Ano...:)))
Desde já o meu Obrigada e...
                                        ....Deliciem-se!

quinta-feira, 6 de janeiro de 2011

Historia X





Mesmo que perdida por entre a multidão euforica,entre saltos e gritos de alegria.Entre garrafas de espumante e brindes.Entre fitas de cores e papelinhos soltos, caidos do ar....Catarina, á vinte e dois anos que se ausenta,com felicidade,recordando aquela passagem de ano em que esteve entre amigos na imaturidade da vida e encontrou o seu grande amor.
Todos os anos,ao soar das doze badaladas, ela está lá,nesse tempo passado.
Depois sorrateiramente sai de cena e dedica os breves primeiros minutos do novo ano,numa varanda qualquer,olhando o belissimo e encantador fogo de artificio e recordando....
Quanto tempo....
A boa sensação precorre o seu interior e ela deixa-se invadir pela presente memoria,tal e qual como se encontra-se lá...Tudo á sua volta de torna num eco distante e Catarina distancia-se cada vez mais,mergulha profundamente no passado...
....tudo parece real....
Catarina fecha os olhos e estende o braço,é como se ele estivesse ali á sua frente.Ficou retido na sua retina como se o tivesse visto á instantes.
Quantas vezes se vive a vida com rapidez demais....
Somos novos,imaturos e tudo se resume facilmente...Nessa altura a vida não nos foge pelos dedos....Temos todo o tempo do mundo....
E tiveram....e viveram uma linda história de amor...
Alegremente Catarina gosta de voltar ao passado e reviver esses momentos unicos.
Lembrar-se de como foi o primeiro beijo...fora doce...doce como o açucar.E fora quente,tão quente quanto uma tarte.
O mundo inteiro abriu-se e ela caiu lá dentro.Não soube onde estava, mas não se importou porque a unica pessoa que importava estava lá com ela.
Lembrar-se de como era o seu abraço...tão apertado...tão imenso...como se ela coubesse lá dentro na prefeiçao...como se lá, nem ninguêm,nem nada a pudesse magoar...
Mágico!Estonteante!Fabulososo!
-Ora aqui estás!-alguêm a acorda para o presente.
Com um sorriso enorme Catarina deixa aquele final de Ano e regressa novamente a este que acaba de nascer...tudo se desvanesse como uma nuvem no céu,que deixa a sua forma e simplesmente mostra o céu estrelado.
Tudo se esvai...num instante...,premaneçendo apenas dentro dum coração quente e sorridente,por uma eternidade.

quarta-feira, 5 de janeiro de 2011

A vida


      " Apressa-te a viver bem e pensa que cada dia é, por si só, uma vida ."
                                                                                                         Seneca



terça-feira, 4 de janeiro de 2011

Reflexão




Uma noite, um velho índio falou ao seu neto sobre o combate que
acontece dentro das pessoas.

Ele disse:

- A batalha é entre os dois lobos que vivem dentro de todos nós.
Um é Mau:  É a raiva, inveja, ciúme, tristeza, desgosto, cobiça,
arrogância, pena de si mesmo,  culpa, ressentimento, inferioridade,
mentiras, orgulho falso, superioridade e ego.

O outro é Bom: É alegria, fraternidade, paz, esperança, serenidade,
humildade, bondade, benevolência, empatia, generosidade, verdade,
compaixão e fé.
O neto pensou nessa luta e perguntou ao avô:
 - Qual lobo que vence?

O velho índio respondeu:
 Aquele que tu alimentares!