terça-feira, 30 de março de 2010

Selo



Espantosamente recebi este selo de Comentarista Excelente, do meu mais recente amigo Santo&Pecador e do seu maravilhoso blog http://santo-e-pecador.blogspot.com/ , que gentilmente e carinhosamente me incluiu na lista de blogues que mereciam o referido selo, no Post http://santo-e-pecador.blogspot.com/2010/03/selo-comentarista-excelente.html

Querido amigo agradeço-te, com humildade, a homenagem que me prestas ao me atribuires este selo. É com todo o meu carinho e prazer que aprecio a tua escrita/sentimento, leio e  comento,a ti um beijinho cheio de luar!

Segundo ele este selo tem a finalidade de homenagear os comentaristas que além da assiduidade dos comentários e do esmero com que são feitos, provocam-nos a reflexão, entusiasmo e empolgação para continuidade do nosso trabalho.

A regra é passar o selo a outros blogues que tem a mesma referência para o Moonlight, ou seja os meus Comentaristas Excelentes, uma missão que como vocês que já me conhecem tão bem sabem á partida que eu adoro quebrar....e oferecer com imenso carinho a todos os que me comentam.Porque sinceramente, tenho como opinião que todos os que me seguem e comentam são merecedores deste selo.Portanto é vosso! Façam o favor de se sentirem á vontade para o levarem para o vosso cantinho se assim o desejarem!






quinta-feira, 25 de março de 2010

(...)



"Para que levar a vida tão a sério, se a vida é uma alucinante aventura da qual jamais sairemos vivos."
                                                                                                  Bob Marley

quarta-feira, 24 de março de 2010

Horizonte perdido....

                    "Enquanto protelamos a vida passa por nós a correr."
                                                                                Séneca


(...)queres que vá ou que fique...?(...)

A pergunta feita outrora ecoava nos seus ouvidos.
A resposta dada teria sido a mais correcta,agora auferia-se os actos.
Não poderia têr dito que permanecesse,não seria justo faze-lo por tempo indeterminado...
Não poderia têr dito que partisse,não seria justo adulterar os própios sentimentos....
Por vezes.... 
temos pressa, por isso, caminhamos, devagar, rumo ao futuro que pode vir a ser aquilo que está escrito em nossos corações e almas.







segunda-feira, 22 de março de 2010

Bom dia, Sol!



O sol vem devagar no horizonte
Trazendo mais um dia de esperança
E nossos olhares molhados da noite
Cegam ao vê-lo chegar.
É outro dia que começa,
Outro passo que dou sem medo
É o segredo que se liberta
Do meu peito rumo à porta aberta.

E paro enfim de procurar
O que tanto me cancei de imaginar
Despida de véus,lanço preces aos céus
Por agora te conseguir realizar
Abro a porta de par em par
Para deixar todo este Sol entrar...entrar....


Mais uma magnifica parceria  com meu querido amigo, das Palavras Mágicas e da sensibilidade fantástica, Alcides  e seu maravilhoso Abismo Nocturno.
Neste segundo dia de Primavera ,aqui em Portugal e segundo dia de Outono no Brasil,temos o prazer de juntar as nossas palavras e o  som maravilhoso escolhido pelo Alcides para  um belo dia de Sol.
Pela singela amizade que temos,hoje deixarei aqui umas poucas palavras que traduzem o sentimento,

               "Não há solidão mais triste do que a do homem sem amizades.
                A falta de amigos faz com que o mundo pareça um deserto ."

Obrigada meu amigo Alcides por seres mais uma flor no meu jardim!




quinta-feira, 18 de março de 2010

O lenço de Catarina

Saiu do café vasculhando a mala em busca do isqueiro ,para acender o seu cigarro da manhã...maldito!...nunca estava no sitio certo-lamentou Catarina.
Sem meia medidas olhou..., viu um rapaz segurando um cigarro enquanto conversava com outro e avançou decididamente em sua direcção pedindo-lhe lume.
A sua altiva figura naõ deixava transparecer o seu fragil e constrangido ser.
Sempre olhava nos olhos as pessoas que com ela conversavam ou apenas metiam conversa.
Sempre....mas naquele momento ...aquele rapaz ,fez com que algo dentro dela se depara-se com a cruel e dificil  realidade de assumir que a vida não pára,
 e então, fixou os olhos no chão,acendeu o cigarro devolveu o isqueiro agradecida e retirou-se,sempre sem olhar o rapaz nos olhos....
Catarina continuou na sua caminhada pelo passeio fora rugando pragas a si propia, (e não só) por nunca guardar o isqueiro dentro da mala depois de o utilizar...maldito sejas que não estavas no sitio que deverias....
Deu alguns passos mais e uma rajada de vento forte fez com que o lenco,que trazia ao pescoço,se soltasse e desaparecesse em menos de nada.Não teve tempo de o agarrar,apenas de o vêr a esvoaçar e afastar-se dela.Deixou-se ficar assim apenas olhando ele afastar-se e pensando...

 ...vai Catarina....vai fechando os olhos á vida...como se não a visses passar por ti...
...vai Catarina... vai deixando o tempo passar...vai deixando te consumirem como os abutres preseguem as suas vitimas,que acabam por desfalecer.
...vai Catarina....fica assim imovél observando tudo desaparecer do teu campo de visão e tu ficares parada...assistindo a tudo ,do camarote.......vai Catarina....

Vai Catarina!Corre!
Não te esqueças que o tempo têm pernas longas e tu nunca o conseguirás apanhar!
Corre Catarina!
Atira-te de braços abertos!Só voa quem têm sonhos acordada!
Não tenhas medo de não ter chaõ Catarina!
Atira-te á vida Catarina!

Eu sei....,desculpa.
Ainda estás de joelhos apanhando e colando os ultimos cacos da tua vida....


Sorriu....
.....virou costas,e continuou o seu trajecto...sem se preocupar...sem correr atrás do lenço...
...simplesmente assistindo ao seu esvoar como um pássaro livre....




segunda-feira, 15 de março de 2010

..

                     Visto do Céu
          
(...) Ninguêm vê os mortos irem-se embora quando eles decidem realmente partir.É assim mesmo .Quanto muito,sente-se uma espécie de sussurro no ar,mais ou menos como uma mulher na ultima fila de uma sala de conferencias em quem ninguêm repara quando sai.Só os que estão juntos da porta,como a avó Lynn,é que dão por isso;para o resto,é como uma brisa inexplicável numa sala fechada.
A avó Lynn morreu uns anos depois,mas ainda não a vi aqui.Imagino-a no céu dela,a beber mint juleps com o Tennessee Williams e o Dean Martin.Aparece por cá quando lhe der na real gana,tenho a certeza.
Para ser honesta,confesso que ainda dou um saltinho á Terra de vez em quando para ver a minha familia.Não consigo evitar.E ás vezes tambem eles ainda pensam em mim.Não conseguem evitar.(...)
(...)Agora,estou num sitio a que chamo Céu Imenso,porque inclui todos os meus desejos mais simples e tambem os mais humildes e os mais grandiosos.A palavra que o meu avô usa é conforto.(...)



Susie Salmon tem o olhar vivo e irrequieto dos seus catorze anos. Observa o desenrolar da vida: os colegas, a família, o lente passar dos meses e das estações. Está tudo muito calmo, tudo parece muito acolhedor. Um único pormenor desmente tanta placidez: é que, de facto, Susie já morreu. Estranhamente, o céu parece-se muito com o recreio da escola, nem sequer faltam os baloiços. A pouco e pouco, Susie compreende que é o centro das atenções: os colegas comentam os rumores sobre o seu desaparecimento, a família ainda acredita que ela poderá ser encontrada, o assassino tenta esconder as pistas do seu crime...


Neste livro/filme, acompanhamos Susie, uma jovem de 14 anos que foi barbaramente assassinada pelo seu vizinho. No céu, Susie descrevemos como foi assassinada, como a sua família e amigos lidaram com a sua morte, como conseguiram viver as suas vidas com a dor, e como um assassino consegue escapar ou não da polícia.

Neste livro/filme, infelizmente apesar da história ser hoje em dia uma história comum existe um lado fantasticamente belo.
O outro lado.
Aquele lado entre a terra e o céu...
Aquele sitío que sempre me fascinou e me fez sempre imaginar como seria ou melhor como será.
Por incrivél que possa parecer, quando li este livro,no Verão de 2005,imaginei em meu pensamento certas imagens que agora, ao já ter assistido ao filme  se assemelham a minha ideológica, de como será esse sitio...
Um lindo e maravilhoso local onde consegui-mos usufruir das pessoas que gostamos mesmo não estando lá fisicamente.
Posso vos dizer que realmente encontrei neste livro/filme o que passo a transcrever;

"É um turbilhão de emoções
O filme centra-se em personagens de carne, osso e alma e fala--nos de forma comovente e tragicamente bela da vida e da morte, da perda e do trabalho de cura que o tempo faz em relação à dor. Da vida aqui na Terra e da espiritualidade, da raiva e do apaziguamento. Cada um de nós poderá fazer a leitura que quiser."

João Antunes-Jornal de Noticias






quinta-feira, 11 de março de 2010

Era uma vez...

Num dia apareceu um lindo arco-irís no céu.Só que uma menina reparou que algo estava errado.Só existiam seis cores!
-Onde está o azul?
-Não sabemos o que aconteceu!...respondeu o laranja,preocupado.
-Queres ajudar-nos?-pediu o amarelo.
A menina procurou,procurou,até que no cimo de umas escadas viu um duende com um pote fechado com a cor azul lá dentro.
-Olá!Porque tens o azul do arco irís?
-Preciso desta cor.A fada de quem eu gosto é azul.Quero ser como ela.Eu sou verde!
-Tens de gostar de ti como és!...disse a menina.
-Se eu te ajudar,devolves-me a cor azul?
-Sim!!!Pulou de entusiasmo o duende.
-Ela está no reino das fadas a apanhar flores.
-Espera,que não demoro...disse a menina.
-Olá fada!Preciso falar contigo sobre o duende verde.Ele gosta de ti.
-Sempre o achei divertido,mas timido.
-Nada disso.Por gostar tanto de ti,até levou a cor azul do arco irís,para ficar como tu!
-Mas eu gosto dele assim:Verde e divertido!
Os dois ficaram namorados e o azul foi devolvido ao arco irís....

terça-feira, 9 de março de 2010

Amor de perdição


São estas pequenas coisas,
Que nos fazem sentir tão Grandes!

sexta-feira, 5 de março de 2010

Quem me quer e foge



"Os cobardes morrem várias vezes antes da sua morte
 O homem corajoso experimenta a morte apenas uma vez. "

                                                                 William Shakespeare


                                     Não voltes a fugir..........exprimenta uma unica morte...

quinta-feira, 4 de março de 2010

Balançar




O Sol rasgou no céu,aqueceu o meu dia,o meu coração. Apareces-te novamente....como que do nada.
De que vale esperar,se quando já nada esperamos,acontece...
Valerá a pena fazer um balanço deste tempo ,que ficou perdido precisamente nesse tempo? Tempo distante...
Valerá a pena este existir? Sem saber se existe ou não?
Valerá a pena este sentimento que ainda teima em persistir dentro de mim....mesmo não querendo.
Sento-me num baloiço,neste jardim deserto e  balanço no balançar que é a  minha vida e fixo o olhar num ponto qualquer.Simplesmente saboreando este vento ,este calor.
Aquela musica que sempre gostei de escutar enquanto me deliciava a te ter não tendo.
Agora novamente voltou á radio e acompanha-me tantas vezes,levando sempre o meu pensamento na minha história contigo.E tu?
Diria eu que certamente em ti existirá tambem uma musica que te lembra de mim...porque se assim não fosse nem sequer te lembrarias de mim.
Dizem que o dia em que esquecemos alguêm,não é quando queremos.Apenas e só quando estamos preparados.E para nos prepararmos é preciso querer.
Quantas e quantas vezes as pessoas usam o verbo conseguir de forma errada.
Quando eu digo para mim propia que não te consigo esquecer,a verdade é que não te quero esquecer.
Por vezes é muito dificil somente libertarmo-nos de um hábito que nos traz alguns beneficios.
Querermos e conseguirmos é diferente,não são o mesmo.Só conseguimos o que queremos e o contrario não é possivél.
Quantas vezes os oásis mais desejados são apenas meras miragens....
E é isso que sinto enquanto me deixo balançar....com o olhar fixo num ponto qualquer,mas o pensamento em ti.