segunda-feira, 27 de julho de 2009

Rabiscos a carvão


Divaguei nos meus rabiscos de carvão
Onde te vim a encontrar...
Era longo o caminho então
Que eu tinha de caminhar...

Nostálgicamente te recordei...
Em pares duas lágrimas desceram
No meu rosto escorregaram
E eu jamais as limpei...

Nestes rabiscos de papel
Invento-te de novo...
Num doce sabor de mel
E sempre me comovo...

E silenciosamente me deixo
Apenas ficar a divagar
Nos meus rabiscos de carvão....

9 comentários:

Dois Rios disse...

Que lindeza, minha querida!

Poder redesenhar o amor, a presença e as lembranças em rabiscos de carvão. O bom é que eles ficam para sempre, ainda que a realidade contradiga.

Beijo,
Inês

Amiga do Cafa disse...

Rabiscos....
pedaços de vida que se juntam e formam a palavra NÓS...
Beijão !

Edu disse...

carvao?
ui ... nao gosto nada. muito pesado e feito de memorias queimadas.
Va de lapiz de cera de cor qq para a proxima
bjinho

A Palavra Mágica disse...

Moonlight,

Rabiscos são esboços que podem se tornar uma linda arte final.

Prazer em te ler de novo!

Beijos!
Alcides

†¦-¦¡åGø disse...

Seja como for, vale recordar. Ainda que em "rabiscos a carvão"..................

Bom que tenha voltado....... gosto muito de ler teus posts.
Abraço

susana disse...

Adorei, esta imagem está fabulosa.

Beijos de um anjo
Susana

sonho disse...

São dos rabiscos que nascem grandes obras...
Beijo de um anjo

segredo disse...

Se rabiscar te faz bem então continua e deixa k as lagrimas caiam soltas, livres...
Adorei!
Beijinho de lua*.*

Dead Porcelain Doll disse...

Mesmo muito bonito... por vezes o caminho é mais longo por nossa própria escolha... por mera ignorância nossa... :)

Mas este poema é mesmo magnífico. E os rabiscos de carvão também... :)

Parece um anjo profundamente amargurado... vejo nessa imagem alguma dor... mas, curiosamente, também vejo transformação... :)