sexta-feira, 25 de março de 2011

Cacto




Por vezes sou cacto com ou sem flor
Cheia de espinhos que causam dor
Poderia têr sido rosa,jasmim ou cravo
E tamanha beleza me seria dada
 Faria esquecer gente injustiçada 
Toda a dôr por mim caudada
Como um gesto de desagravo

Mas não julge que detestei cacto ser
Adorei toda a sua  força e atitude
Vigarosidade que pareceu ter
Mas pricipalmente a sua não fragilidade

E embora não o sendo muitas vezes, pareço
Ficando muito aquem
Quando tomo atitudes que  meço
Na ferida  que vou causando na alma de alguêm




7 comentários:

Secreta disse...

Os cactos não deixam de ser belos por causa dos espinhos.
Não te esqueças disso!
Beijito :)

A Palavra Mágica disse...

Moonlight,

Ser cacto às vezes não é sinal de agressão. É uma forma de se proteger.

Beijos!
Alcides

Sammael the Morning Star disse...

a beleza está nos olhos de quem vê e não no objecto...bfs


bj

A.S. disse...

Até nos espinhos de um cacto se encontra beleza!...


Beijos meus,
AL

Fê-blue bird disse...

Minha querida, os cactos têm as mais belas flores que eu conheço.
Um poema intenso e cheio de saber.

Beijinhos e bom fim de semana

Sus disse...

As rosas também têm espinhos e são belas por demais... além, cada um tem a sua beleza própria, única.

Beijito :)

O Árabe disse...

Todo os somos, às vezes, amiga... o principal é que continuemos capazes de fazer brotar a flor! :) Boa semana.