quinta-feira, 18 de novembro de 2010

A morte...









                                               " Deus te quer sorrindo"

                                                                mas se você chorar,

                                                            Ele te quer assim mesmo.



A morte...
Aquilo que sabemos que está certo em nossas vidas,apenas não sabemos quando.
A morte...
O que aceitamos e sabemos que é apenas uma passagem.
A morte....
Quando ela passa perto de nós,quando ela vêm para aqueles que amamos,que são nossos amigos,que poderiam até ser os nossos.
A morte....
A morte anunciada... veio,chegou.
Costumavas-me tratar por filha,eu era mais ou menos isso para ti,afinal de contas,o meu verdaeiro pai têm menos dois anos que tu tinhas.
Juntei-me á "nossa" familia como sempre e juntos caminhamos no teu adeus.Não te vê-mos mais fisicamente,mas espiritualmente estarás sempre perto de nós,eu sei e eles tambem.
È-me tão estranho ultimamente assistir á partida fisica daqueles que me são tão proximos.
Nunca tive medo da morte,nunca me fez confusão,mas hoje em dia deparo-me constatemente com ela,parece que tudo está a chegar ao fim.
Um dia destes...serão os meus...nem quero pensar.
Engraçado....ao mesmo tempo,enquanto me despeço...vêm-me á ideia de quantas vidas nascem naquele preciso momento ...enquanto fechamos as portas da tua moradia eterna.Quando tudo se resume apenas ao fim.
Recordei a minha primeira deparação com a morte....apesar das memorias da minha infancia terem partido,com a terapia de sono a que fui sugeita á muito anos atras,lembro-me...a mãe da minha madrinha....
Nunca fui poupada,como agora nós poupamos as nossas crianças,aos velórios,aos funerais,eu assiti sempre a todos, com os meus pais.Talvez por isso a morte nunca me fez confusão,ou impressão.
Aliás sempre achei que era um momento de paz,tranquilidade, um sono profundo...
Lembro-me do pequeno bouquet de rosas brancas que depositei em suas mãos,alguêm o ajeitou depois,não sei...não me recordo.Apenas recordo aquela imagem...deitada,serena,bonita como era,parecia que dormia um sono profundo.
Mais tarde lembro-me que foi a vez do meu querido avô,que passava as tardes dele a jogar dominó comigo.E sempre que vinha o mês para junto de nós trazia-me broas de mel e as primeiras uvas do ano,para a sua menina.Como eu gostava dele.Teria os mesmos anos que minha filha,depois.morreu quando eu tinha 9 anos.
Disso eu recordo-me bem.A capela em que ficou era bela,a igreja situava-se no cimo de Alenquer,vila velha,era bela,linda e eu corria entre os colaustros abafando a minha dôr,sem ninguêm se apreceber ou notar em mim.
Lembro-me que estava muito triste e sabia que não o voltaria a vêr.
Durante uns anos,sempre que ia ou ficava alguns dias em Alenquer,com meus tios,passava grande parte do tempo sentada a conversar com ele no cemiterio...nunca ninguêm o soube.
Estou de luto uma vez mais...e recordo-me de como é penosa a morte para nós.A saudade que fica em nossos corações,apesar de acreditar que um dia nos voltaremos todos a encontrar...e sorriremos de novo.
Mas sempre que a morte nos "bate á porta" eu recordo aqueles que já partiram e deixaram tanta saudade em meu coração...
A Madrinha Alexandrina,
Avô Fernando,
O meu grande amigo João,
A Fica,
Sr. Mendonça, e outras pessoas que conviveram o meu dia a dia, onde conheçi tanta gente que já partiu.
A todos eles a minha eterna saudade.o meu até sempre.
A todos vós meus amigos as minhas desculpas,pelo meu desabafo....


3 comentários:

sonho disse...

Nao tens de pedir desculpa pelo desabafo...a morte apesar de ser uma partida fisica...doi...magoa muito...há pessoas que partem antes de nos...mas ficam em nos...no nosso coração:) e eles lá no seu cantinho vão sempre cuidar de nos;)
Beijo d'anjo

Sonhadora disse...

Minha querida

Por vezes temos mesmo de desabafar, para ficarmos mais leves,eu a primeira vez que tive contacto com a morte, foi a minha mãe, eu era ainda nova, mas ainda hoje recordo, já passaram 40 anos, e tenho ainda nas minhas mãos o frio das mãos da minha mãe, quando as toquei, foi aí que senti mesmo que ela não estava mais comigo, embora esteja sempre na minha lembrança, enquanto eu existir, nunca nos deixam.

Deixo um beijinho com carinho
Sonhadora

Sus disse...

Solta o desabafo só assim, ficas em paz.
E todos os que já partiram e deixam em nós algo cá dentro nunca morrem.

Beijinhos
Bom fim de semana