terça-feira, 16 de junho de 2009

Estória III


"...De mãos dadas, percorreram aquele pequeno paraíso tão perto da cidade que tanto amavam.
O calor que se fazia sentir e o nervosismo que partilhavam,fizeram-os acolherem-se num pequeno pedaço daquele paraíso,sem serem notados por ninguém.Era um amor proibido aos olhos dos humanos,mas não aos olhos de Deus que os entendera desde o principio.Era um magico amor aquele que ninguém jamais entenderia.
Passavam todas as tardes partilhando pequenos pedaços de vidas rasgadas pelos contratempos da vida,que por vezes lhes era madrasta...como se entendiam tão bem...num amor singelo e de pura pureza de sentimentos.
Tinham dias que passeavam na praia até ao anoitecer.Depois despediam-se com um breve beijo nos lábios e ela ficava a ver ele partir no comboio,sem acenar, despedia-se apenas com o olhar...eles entendiam-se.
Outros dias porem,tinham como cenário o rio Tejo,onde juntos e cúmplices partiam á descoberta de tudo aquilo que fosse escondido, para poderem roubar um beijo um do outro...
Durou muito tempo aquele consumado amor espiritual,nunca se tornando carnal porque assim não poderia ser...algo que não estava nos planos,tornava aquele amor num simples partilhar de companhia e troca de beijos e caricias...e durou...até ao dia que teve que finalizar...porque assim estava destinado...
Ele apaixonado que estava não conseguiu entender porque sua encantada princesa se tinha de ausentar para sempre...prometeu de tudo para a conseguir convencer a permanecer,mas nada a moveu de sua longa e destinada caminhada...
Ainda hoje se encontram no olhar um do outro,recordando aquele mágico amor que um dia os uniu e com os olhos brilhantes de lágrimas, se falam e sorriem um para o outro.
Quando ela olha bem fundo,dentro dos olhos dele ainda sabe que o amor não morreu,nem tão pouco desapareceu...mas ela já não tem nada pra lhe oferecer...
O toque das maõs dele nas suas faz-a tremer de medo de não mais voltar a sentir aquele amor mágico que sentira um dia...
E deixando-se tocar, em breves instantes recua no tempo em que fora feliz. Sem tempo,sem nada que a pudesse ter afastado daquilo que desejava. Tivera medo de não saber manejar,da maneira mais correcta de ser manejado...ela,não saberia lutar contra o vicio dele."

10 comentários:

Feitio'zinho disse...

És mesmo maravilhoso sabermos que temos aquela pessoa, sempre la quando precisamos.

Ja me desiludi com muitas pessoas, mas esta amiga nunca me desiludiu.

Em relação ao outro texto...
há pessoas que gostam 'de meter o nariz onde nao sao chamadas' e de inventarem coisas a nossa respeito, sendo ou nao verdade.

As vezes acho q essas pessoas nao teem vida propria, e teem que andar a falar e a opiniar sobre a dos outros.

Sao pessoas más, mesquinhas e invejosas.

Enfiim... há muita gente assim, infelizmente...

Beijos cheios de feitios =P

Feitio'zinho disse...

O teu texto tá tao lindo, querida*

Gostei muiiitoooo ;)

BeijinhOs Linda*

Feitio'zinho disse...

(=

Feitio'zinho disse...

Gosto da maneira como escreves*

BEIJO DOCE*

tibeu disse...

Gostei muito do texto e vim deixar um olá
bj

Whispers disse...

Ola Querida Moonlight!

Uma historia bonita...um amor que podia ter sido lindo,mas que o medo o fez ficar nas cinzas de um passado
Parabens,escreves muito bem,com um sentido de emocao unica

Beijinhos mil em teu coracao
Rachel

susana disse...

Que "estória" linda, como todos os textos que aqui nos dás...

Beijinho

sonho disse...

Querida moonlight...este teu texto fez me soltar uma lagrima...revivi me em tantas partes desta estória...As vezes penso que a vida dá nos coisas que não passam do primeiro acto...talvez por não se lutar...por medo...ou por ter mesmo a consciencia que jamais iria dar certo...por mais voltas que se desse...
Beijo de um anjo

A Palavra Mágica disse...

Moonlight,

Existem amores e amores e às vezes é tão difícil distinguir.

Beijos!
Alcides

Porcelain Doll disse...

Que escrita tão leve e tão doce... anseio pela continuação esta estória (presumo que venha a existir...) afinal de contas... já William Shakespeare, no seu tempo, sabia que: "As nossas dúvidas são traidoras e nos fazem perder o bem que poderíamos conquistar se não fosse o medo de tentar."

E é tão bom tentar... e mesmo quando se cai e se falha, sente-se o gosto da vitória... mais que não seja porque tentámos, pelo menos...

Gosto muito da maneira como escreves!!

Beijinhos grandes!