quinta-feira, 26 de março de 2009

Equilibrismo



«...Esse homem está sempre com medo de comprometer-se, de ir demasiado longe; o menor excesso fá-lo tremer; não tem outro cuidado senão o de conservar em todas as coisas o justo meio termo.
Será isto equilíbrio? De maneira nenhuma: isto é equilibrismo! O homem equilibrado reúne e harmoniza em si as tendências opostas (a vontade e a paixão, a prudência e a audácia, a lucidez e o entusiasmo); é como uma montanha cujo equilíbrio implica a existência de duas vertentes. E essa amplitude de base permite-lhe precisamente, como a montanha cujo cimo se perde audaciosamente no céu, comprometer-se a fundo, desprezar as meias tintas e as precauções; pode ir muito longe e muito alto sem perigo para a sua base interior; é bastante forte e rico para ser saudavelmente excessivo.
O equilibrista, pelo contrário, está separado da vida e toda a sua habilidade consiste em manobrar sabiamente para ficar de pé no meio do torvelinho das forças adversas que o agitam e que ele não pode dominar.
O primeiro evita a queda quando aderindo plenamente à vida; o segundo, mantendo-se alheio a tudo.
Os dois escapam às correntes perigosas: um porque comunga com a fonte mesma do rio; o outro... porque sabe manobrar o seu barco.»

THIBON,GUSTAVE

No equilibrismo esperamos sempre a altura certa...
Nem cedo demais...
Nem tarde demais...
Se soubermos... quando é a altura....

5 comentários:

Secreta disse...

O equilibrio não existe em tudo...

Lita disse...

A altura certa.... para tudo existe uma altura certa, a dificuldade está exactamente em acertar nela...

Monilis disse...

LINDO texto!
Bom seria se descobrissemos o meio termo né, e esse é difícil.

António disse...

Bons equilíbrios!
(saindo inspirado pela Beatriz).

Unknown Artist disse...

E saber a altura certa?
Nem todos temos essa sorte, muitas das vezes meu barco foi ao fundo...

Obrigado pela visita e volta sempre que quiseres, serás sempre bem vinda =)
Beijinho