quinta-feira, 5 de março de 2009

Alma



De que foges tu,pobre alma incerta...sem ter para onde ir,sem nada que te leva daqui.
Na incerteza tua,de que tudo caminha devagar,lentamente,desencontras-te de ti, de almas que viajam ao teu encontro e tu cega,nas tuas incertezas,nem vislumbras.
Em passo de corrida percorres um universo de insegurança de medos de expectativas vãs...sem nunca conseguires descansar.
Alma que voa de encontro ao vento,e que se deixa á deriva,sem rumo,sem sitio onde descansar.
Sobrevoas,caminhos já percorridos na esperança de algo encontrar,esquecendo-te que o tempo também voa e nada existe para te acompanhar.Não olhes para trás,alma leve,porque nada será preciso recordar,deixa-te á deriva ficar ,sem pensar ,sem nada querer encontrar.
O caminho que terás de percorrer será sempre o mesmo,de nada te vale tentares mudar de rumo de direcção.Então sem correrias,deixa-te ficar á deriva no ar,embalada por esse vento que sopra sem direcção...porque a algum lado ele te vai depositar.....



"É minha direção, é minha proposta
É tão difícil, está me desviando do caminho

Minha obsessão, é minha criação,
Você entederá, não é importante agora

Tudo que preciso é coordenação,
Eu não consigo imaginar meu destino
Minha intenção, peça minha opinião,
Sem desculpas,
Meus sentimentos ainda permanecem

Meus sentimentos ainda permanecem"

1 comentário:

Cotovia disse...

Gostei do texto, mas acho que nunca nos devemos esquecer de traçar um rumo, andar ao sabor do vento é saboroso, mas é apenas um sentimento breve, a felicidade mora firmeza das nossas opções.

...és sempre dona da tua direcção... agarra O TEU CAMINHO, a tua vontade, o teu querer...