quarta-feira, 21 de janeiro de 2009

ECO



Não tinhas
nome. Existias
como um eco
do silêncio. Eras
talvez
uma pergunta
do vento.


Albano Martins

Sem comentários: